29 de jul de 2008

Mania de TV

Pesquisas alertam contra os prejuízos
do hábito de ver televisão em excesso.
Segundo os especialistas, o cérebro humano
corresponde a uma combinação de
computadores.
É dentro dele que reside a nossa capacidade
de pensar, planejar, decidir, temer, amar,odiar.
Da televisão se recebe as opiniões já formadas,
como quem recebe uma mercadoria de encomenda,
se alguém não armazenar
coisas de valor, não será capaz de nutrir pensamentos elevados.
Se a mente é alimentada com vulgaridades, violência, imoralidade
ficará contaminada.
Problemas morais e sociais, entretanto,
não são os únicos ligados ao hábito
de ver televisão, ela também causa dependência.
Sintomas de dependência;
usam a TV como sedativo,
não tem critérios para selecionar o programa a ser visto,
perdem o controle das coisas, ficam bravos consigo mesmos
por terem visto muito TV, não conseguem parar e ficam
infelizes quando não estão diante de um televisor,
além disso ela inibe a criatividade e a concentração.
Mas não é o caso
de deixá-la abandonada num canto da sala,
é preciso, sim, espírito critico, independência e critério
na hora de acionar o controle remoto.
Se o uso excessivo e indiscriminado vicia
e traz males à saúde,
equilíbrio é a palavra chave.
Boa parte do tempo que uma pessoa gasta
sentada no sofá, vendo televisão,
poderia ser empregada na leitura de um livro,
um curso, ouvindo música,
realizando uma saudável atividade física
ou até batendo um papo com amigos.
Afinal, isso também contribui para o bem-estar integral.

Você já se influenciou por um comercial,
por um padrão de beleza, pela moda, por
um tipo de comportamento ditado pela TV?