16 de abr de 2008

As uvas da raposa


"Todos nós nascemos príncipes e princesas.
Com o tempo vamos nos transformando em sapos
acomodados."
Ficamos sonhando com o que gostaria
de ter, fazer, ou de viver...
um sem-fim de " eu queria",
como se fossem sonhos difíceis de realizar.
Ficamos só na janela...
vendo a vida passar por trás de um vidro.
É como a fábula da raposa e das uvas;
estas estavam muito longe de seu alcance e,
depois de várias tentativas para alcançá-las decidiu
que, como estavam longe demais,
já não as queria comer.
Algo parecido acontece quando alguém crê
que não pode alcançar
o que quer, e não faz nada para
buscar o que diz que quer
e vive sonhando com o que gostaria,
convencendo-se que é para os outros e, não para ele.
Tudo isto tem a ver, por um lado,
com uma posição cômoda diante da vida.
Fecha-se para o mundo
o mundo se fecha para você.
A intenção é se proteger,
se defender, mas a
gente só segura essas coisas porque
ainda não percebeu que elas são um peso em nossa vida.
A alma precisa de livre acesso para se realizar.
Vivemos num mundo de experimentação,
estamos aqui para experimentar
e conhecer nossos potenciais,
o que somos, e para saber o que podemos criar.
Sonhar é lindo, porque é desejar muito algo,
mas sonhar sem fazer que esse sonho
se torne realidade é como viver numa nuvem inacessível,
que leva não só a ficar frustrado,
mas, também a consumir energia
de que necessita para a realização dos sonhos.
Melhorar-se é melhorar o mundo!!

Você já se sentiu como a raposa,
olhando as uvas
procurando uma justificativa por não conseguir
alcançá-las?