21 de jul de 2011

Perdoar - Ato de amor


O perdão exige uma grandeza de alma
da qual poucos são dotados.
O perdão sai do fundinho da alma, é uma escolha
livre e consciente, n
ão pode ser forçado; precisa ser desejado.
Se é difícil perdoar,
não perdoar pode nos fazer muito mal.
Há uma série de sintomas
físicos e mentais associados com as mágoas
reprimidas: depressão, tristeza profunda,
baixo auto-estima, desconfiança e dificuldades nos relacionamentos.
Compensa perdoar.
Muitas pessoas confundem o perdão com;
deixar o tempo passar,
ter sentimentos positivos,
aceitar que aconteceu,
ter vantagens ou créditos
com o traidor.
Perdão não é nada disso.
É abandonar o ressentimento, a mágoa
e esforçar-se para agir com o traidor com
compaixão, valorização incondicional,
generosidade e amor.
É renunciar à mágoa e ao ressentimento
a que se tem direito, para em seguida
fazer uma doação para quem não merece.
Perdoar é fazer uma doação de amor
sem merecimento.
É bondade em ação.
É aceitar as diferenças de alguém,
sem condenação nem julgamento.
Quando você desiste deste sentimento de mágoa,
está trabalhando em causa própria;
está lidando com suas experiências internas,
aprendendo a não guardar mais ressentimentos e amarguras
e nem ficar emburrado pelos cantos da vida.
Quando a presença do outro,
não mais incomodar, não mais
causar dor ou constrangimento,
a mágoa foi eliminada do seu coração!
Contemplamos a esperança, a leveza da alma,
o otimismo e a visão positiva do mundo.
Temos melhor saúde, mais clareza de mente,
mais encanto na vida e as relações
se tornam mais gostosas.

O perdão sempre começa
com um gesto de querer bem o outro.