20 de fev de 2008

Espontaneidade


Essa falta de tempo que as pessoas inventaram
é a desculpa perfeita
para que não se tenha mais cuidado
nem atenção com o outro.
Embora todos queiram no fundo carinho,
está ficando cada vez mais difícil praticá-lo.
Carinho é simples como a vida, exigindo apenas espontaneidade.
A espontaneidade foi regra
de etiqueta no passado,
era referência
de delicadeza para com todos e,
nos dias de hoje corre o risco
de não ser mais uma atitude.
É até comum negá-la,
tudo em nome de um "tipo independente",
os robóticos.
Toda manhã é igual e toda noite é igual.
Eles pensam que não há nada de novo sob o sol.
Quando se é espontâneo
há satisfação espiritual, há alegria,
vive-se todas as cores, todos os sabores, emoções e pensamentos.
A espontaneidade anda de mãos dadas com a criatividade.
É investir num mimo inesperado
para alguém que goste muito,
chegar à casa do amigo, com um pão
fresquinho para tomar um café.
Fazer um agrado qualquer, mesmo que pareça bobo,
só para ver o outro se abrir com um belo sorriso.
Isto faz toda a diferença nos relacionamentos.
Em síntese,
ser espontâneo é ser feliz, significa antes de mais nada
ser você mesmo.

Vamos resgatar esses valores tão preciosos, e dar
importância a essas pequenas coisas da vida?